blog

Aqui você estará atualizado sobre as novidades da doença
e acontecimentos gerais da dependencia química e alcoolismo da região, do Brasil e do mundo.

ATENDIMENTO
 24H

×

Erro

Cannot retrive forecast data in module "mod_sp_weather".

23 Abril

Síndrome Alcoólica Fetal atinge 50 mil bebês por ano no Brasil

Escrito por  Fonte Externa

O consumo de álcool durante a gravidez é um verdadeiro problema de saúde na França, que atinge mais de 8 mil recém-nascidos por ano no país. No Brasil, cerca de 50 mil bebês por ano são vítimas da Síndrome Alcóolica Fetal (SAF). No mundo, anualmente, este número chega a um milhão. A doença é a primeira causa da deficiência mental e pode ser evitada com a simples abstinência de álcool durante a gestação.

Muitos países enfrentam as consequências da síndrome, especialmente as nações onde as populações são expostas a um alto consumo de álcool, como a Rússia ou a África do Sul. Mas, em todas as nações que constatam o problema, as falhas são comuns: a falta de prevenção sobre o consumo de bebida alcóolica durante a gravidez, a identificação e conscientização das mulheres grávidas mais propícias a desenvolver a síndrome, o diagnóstico precoce e o tratamento das crianças portadoras da doença.

Várias e graves são as consequências da SAF, que implicam na má formação do feto, resultando, especialmente, em alterações do desenvolvimento neurológico e mental. Mas, como lembra o pesquisador e psiquiatra da infância e adolescência Erikson Furtado, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e da Associação Brasileira dos Estudos de Álcool e Drogas (ABEAD), outros dados fogem às estatísticas, como os abortos consequentes do consumo do álcool e os riscos para a saúde da própria mãe, como alterações psiquiátricas, especialmente depressões. Também não há estudos que relacionem a quantidade de bebida alcóolica ingerida à gravidade da SAF.

Complicações da síndrome

Para a criança, Furtado ressalta que a síndrome resulta em um vastro quadro de complicações, chamado de Transtorno do Espectro Alcoólico Fetal, que inclui não somente alterações físicas, como problemas no crescimento, mas também psíquicas, como deficiência mental, redução do desempenho intelectual, sintomas emocionais, psiquiátricos e outros problemas de comportamento.

O psiquiatra informa que muitos dos estudos sobre a incidência do transtorno são realizados em crianças em idade escolar. Um dos critérios observados para detectar as consequências do problema é o desenvolvimento pondero-estatural. “Geralmente as crianças que têm probabilidade de sofrer da síndrome tem o peso e a altura 10% abaixo da normal”, indica, lembrando que muitas das vítimas do problema podem não apresentar essa diferença.

Proibição da ingestão de álcool

Embora muitos especialistas permitam que suas pacientes bebam, eventualmente, pequenas quantidades de álcool, a Organização Mundial da Saúde (OMS) é inflexível: a recomendação é de nenhuma ingestão de álcool durante a gravidez.

Para Furtado, a recomendação demonstra que cada mãe que bebe álcool, mesmo em quantidades mínimas, tem potencial de risco de gerar problemas para o bebê. “É importante que cada mulher entenda a necessidade de não consumir álcool durante a gestação”, sublinha.

Outros médicos chegam a recomendar que as mulheres deixem de beber no período que antecede à gravidez. “Oriento minhas pacientes que estão planejando ter filhos que evitem a ingestão de bebidas alcoólicas um mês a quarenta dias antes da concepção”, diz o ginecologista e obstetra Arthur Campos da Paz.

Fatores sócio-culturais

Em algumas nações, como a França, fatores culturais relacionados ao consumo do álcool potencializam o desenvolvimento da doença. No país da gastronomia, os pratos são sempre acompanhados do famoso “verre de vin” (copo de vinho). Na maioria das famílias, desde cedo, os franceses têm permissão de experimentar bebidas alcóolicas, ainda que em quantidades mínimas.

Mas, para David Germanaud, neuropediatra do hospital Robert Debré, da universidade Paris Diderot, a alta incidência da Síndrome Alcoólica Fetal na França não pode ser relacionada a apenas um fator, como a cultura do consumo alcóolico. “Há um déficit de comunicação sobre o assunto e, embora o governo tenha investido em campanhas de conscientização, essa não pode ser a única solução para um problema que existe há décadas”, avalia.

Além disso, para o neuropediatra, além de políticas públicas de saúde, as autoridades médicas também devem ser responsabilizadas. “O trabalho individual dos médicos com seus pacientes é muito importante e parece que ele não vem sendo bem feito porque, até hoje, há uma boa parte de profissionais da saúde que não está a par dos riscos do consumo do álcool durante a gestação ou mesmo prontos para informar e prevenir seus pacientes”, reitera.

Consumo de álcool aumenta no Brasil

Já no Brasil, outro fator aumenta a incidência da SAF. O país é o maior produtor de bebida destilada do mundo, a cachaça. Além disso, como em muitas outras nações, o consumo de álcool é relacionado à socialização. Nas publicidades brasileiras de bebidas, o consumidor é sempre associado à figura do personagem popular e bem-sucedido. No caso das mulheres, o consumo do alcool é sempre relacionado a beleza e à conquista. Os comerciais de cerveja são estrelados por célebres ícones, estrelas de telenovelas ou modelos.

O assessor especial da presidência da Associação Brasileira de Psiquiatria, Jorge Jaber, especialista em dependência química, aponta que há um aumento de consumo de álcool pelas mulheres brasileiras, independentemente da classe social. “O que varia é o tipo de bebida, que é mais sofisticada nas classes mais altas”.

Jaber lembra que as brasileiras seguem uma tendência observada em todo o mundo. “Mesmo que o número de mulheres que bebem alcool seja menor do que o de homens, estatisticamente, a quantidade de mulheres consumidoras está aumentando de maneira avassaladora, especialmente na juventude”, indica.

Apenas 5% deixam de beber durante gravidez

Segundo o especialista, apenas 5% das mulheres brasileiras abandonam o consumo do álcool quando descobrem a gravidez. Dr. Jaber ressalta que 25% das mulheres brasileiras reconhecem consumir álcool durante toda a gestação, ainda que em pequenas quantidades. “Há um consumo muito grande de bebidas alcóolicas pelas grávidas e há poucas ações esclarecedoras. De forma geral, a Síndrome Alcoólica Fetal não é combatida no Brasil”, diz.

Para Dr. Arthur Campos da Paz, faltam iniciativas públicas que combatam o alcoolismo. “Uma campanha contra o abuso do álcool orientando os adolescentes ajudaria na diminuição da incidência da SAF”, considera.

Canadá é vanguardista

O Canadá é um dos países onde a prevenção à síndrome é um exemplo. Do hospital às prisões, dos programas escolares às intervenções sociais, o país aplica medidas de vanguarda para combater a incidência do problema.

O governo canadense investe em projetos a longo prazo desde os anos 80, com um plano nacional de prevenção e apoio às vítimas da síndrome. A pesquisa na área pediátrica do Canadá é uma das mais desenvolvidas do mundo, além do investimento em estudos sobre os fatores genéticos, nutricionais e sócio-econômicos. No total, o custo das ações ao governo chega a 7 bilhões de dólares canadenses (R$ 17 bilhões).

Na França, as iniciativas permanentes de informação e conscientização sobre a síndrome ficam a cargo das associações, como a Vivre avec la SAF (Viver com a SAF, em francês) e a SAF França. O governo investe € 9 bilhões na prevenção e combate à doença.

No Brasil, as ações do governo se focam na prevenção ao consumo das drogas e do álcool. ONGs, universidades e associações reúnem os principais especialistas sobre a síndrome, como a Associação Brasileira de Estudos do Alcool e Outras Drogas (Abead) e a Associação Brasileira de Alcoolismo e Drogas (Abrad).

No país, a cada 36 horas, um jovem morre em decorrência do consumo exagerado de bebida alcoólica.

Fonte: Portal Bragança

Lido 400301 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Formulário de Contato

Tem dúvidas, sugestões ou até alguma reclamação? Entre em contato. Aguardamos sua mensagem.

Goto Top

Nosso Endereço

Endereço
Rua Prof. Francisco de Oliveira Alves, s/n
Condomínio Leila - Varjão
São Carlos -SP
Brasil
Telefones
FIXO (16) 3378.7361​
VIVO (16) 997.863.046
CLARO (16) 992.135.503
TIM (16) 981.280.413

Também Nas Mídias Sociais